Produtos Tradicionais Portugueses

Produtos Tradicionais Portugueses

Figos do Algarve

Figos do Algarve

Descrição: Figo fresco — Sícone piriforme, globoso, achatado ou cónico, de cor amarelada ou violácea. Os lampos têm de 40 a 45 mm de comprimento por 40 a 60 de diâmetro e pesam 60 g a 110 g e os vindimos têm de 30 a 35 mm de comprimento por 30 a 45mm de diâmetro e pesam 50 a 80 g.

Figo seco — Figos secos ao sol, com pele fina, consistência melosa e peso unitário entre 10 e 15 g.

Região: Algarve.

Variantes: Figo fresco e Passa de figo.

Particularidade: Os figos frescos têm, em geral, duas épocas de produção (2 camadas): uma em maio /junho (figos lampos) e outra de fins de julho a dezembro (figos vindimos). O figo seco apresenta-se espalmado, de cor branco-pérola a amarelada.

História: A figueira é originária do Afeganistão e daí se difundiu por toda a bacia mediterrânica. Em Portugal a cultura centrou-se no litoral algarvio e na zona de Torres Novas. Em 1577, Frei João de S. José escreve que «… é bom mantimento em especial para os do Algarve que o têm já em costume». Também Silva Lopes, em 1841, refere que os figos do Algarve são muito saborosos e nutritivos e que em 1708 já se exportavam 4.500 a 6.000 toneladas para os portos do Reino e para os da Holanda, Bélgica, França e Inglaterra e se secavam ao sol 10.500 a 12.000 toneladas. Romero Magalhães refere que, em 1605, um francês de nome La Corsa teve de se comprometer a importar 16 moios de centeio para poder exportar 800 peças de figo. Pelo seu grande valor nutritivo, concentração e boa capacidade de conservação, apresentou grande interesse para «matar a fome de muita gente em períodos de crise». Durante as guerras mundiais foi exportado em grande quantidade para a Alemanha e para a América do Norte.

Uso: O figo faz parte da dieta tradicional das populações do Algarve. Fresco é consumido como entrada ou como sobremesa ou como matéria-prima para compotas e doces. Seco, é utilizado tal e qual ou integrando a riquíssima doçaria algarvia.

Saber fazer: A figueira no Algarve encontra-se inserida no pomar tradicional constituído por árvores dispersas ou consorciadas (alfarrobeira, amendoeira e oliveira). Para o figo fresco usam-se os melhores terrenos e os mais frescos, porque originam frutos de maior calibre. As árvores são podadas com cuidado e, para se obterem melhores frutos, usa-se colocar um colar nas variedades que necessitam de caprificação (este processo, também denominado de «pôr toca nas figueiras», consiste em pendurar na figueira um figo de figueira brava, onde se desenvolve um inseto polinizador para favorecer a fecundação). Para o consumo em fresco, o figo é colhido de manhã e acondicionado em cestos de cana forrados com folhas de figueira ou de videira. Para a secagem, os figos claros são colhidos de meados de agosto a fins de setembro, bem maduros (com o pé torcido). São colocados em local abrigado e exposto à torreira do sol sobre esteiras de cana, que se enrolam durante a noite para os proteger da humidade. Logo pela manha retiram-se os que atingiram o estado ideal de secagem. Antes de acondicionado, o figo é lavado, seco e prensado.

Fonte: Produtos Tradicionais Portugueses, Lisboa, DGDR, 2001