Produtos Tradicionais Portugueses

Produtos Tradicionais Portugueses

Cabrito da Beira IGP

Cabrito da Beira IGP

Descrição: A carne de Cabrito da Beira IGP é obtida a partir de cabras da raça Serrana e Charnequeira, bem como dos animais resultantes do cruzamento destas duas raças.

Método de produção: Uma vez que estes animais resultam do cruzamento de duas raças, a sua aparência pode variar consideravelmente, no entanto as raças de que resultam podem ser assim descritas: a Raça Serrana tem origem na Serra da Estrela e é caracterizada por apresentar baixa estatura, com membros finos e resistentes. A Raça Charnequeira é criada maioritariamente na zona sul da Beira Interior e apresenta animais de grande corpulência, com membros fortes e curtos.

Características particulares: Os animais são criados num sistema de exploração da raça caprina baseada no pastoreio extensivo, sendo a sua alimentação quase exclusivamente de leite materno. Os cabritos são abatidos entre os 40 e 45 dias de vida, com peso inferior a 15 kg.
A especificidade das raças, das pastagens e do maneio dos rebanhos determina a produção de carcaças de cabritos com pesos inferiores a 7 kg (5 kg em média), de qualidades organoléticas únicas, reconhecidas regional e nacionalmente nas variadíssimas ementas gastronómicas em que entra este tipo de borrego.

Área de produção: A área geográfica correspondente à produção do Cabrito da Beira – IGP compreende os concelhos de Meda, Figueira de Castelo Rodrigo, Pinhel, Guarda, Fornos de Algodres, Trancoso, Celorico da Beira, Seia, Gouveia, Manteigas, Covilhã, Almeida, Sabugal, Belmonte, Fundão, Penamacor, Idanha-a-Nova, Castelo Branco, Vila Velha de Ródão, Proenca-a-Nova, Oleiros, Sertã, Vila de Rei e Mação.

História: As origens do Cabrito da Beira IGP estão ligadas às raças Serrana e Charnequeira, que por sua vez têm origens difíceis de determinar, tudo indicando, no entanto, que são possivelmente descendentes das cabras selvagens do período Quaternário: Capra prisca, Capra aegagrus e Capra falconeri. Eventualmente, devido às sucessivas ondas migratórias, foi-se fixando na Península Ibérica a Capra pyrenaica, a partir da qual terá surgido a raça Serrana.

Caderno de especificações (pdf)

Área geográfica

Agrupamento de produtores
APQDCB - Associação de Produtores de Queijo do Distrito de Castelo Branco

Publicação no Jornal Oficial da EU
Regulamento(CE) n.º 1107/96 da Comissão de 12.06.1996

Padrão da Raça Caprina Serrana: De acordo com o definido no Regulamento do Livro Genealógico, o caprino Serrano é um animal com as seguintes características:

Aspeto Geral — Estatura mediana, aptidão predominantemente leiteira. É uma cabra de estatura média, com uma altura de 64 cm na cernelha;
Pelagem — Pode ser preta, castanha e ruça, podendo apresentar coloração amarela em algumas regiões, sendo a única raça caprina autóctone de pelos compridos;
Cabeça — Grande, comprida, de perfil subcôncavo, frente ampla e ligeiramente abaulada; face triangular; chanfro largo, retilíneo e com depressão na união com o frontal, focinho fino; boca pequena e lábios finos; orelhas relativamente curtas e horizontais, cornos de secção triangular, rugosos, dirigidos para trás em forma de sabre, com hastes paralelas ou divergentes, ou ligeiramente dirigidas para trás, divergentes ou espiraladas;
Pescoço — Comprido, mal musculado, bordos retilíneos com ou sem brincos;
Tronco — Linha dorso-lombar quase direita ou ligeiramente oblíqua, dorsos e rins descarnados e retilíneos; garupa descaída, cauda curta e arrebitada. Tronco ligeiramente arqueado; abdómen desenvolvido;
Úbere — Bem desenvolvido, globoso, por vezes pendente de fundo de saco; tetos pequenos e cónicos dirigidos para a frente ou levemente para os lados;
Membros — Finos, resistentes, com unhas pequenas e rijas;
Peso vivo — adulto: Machos – 35 a 50 kg; Fêmeas – 25 a 40 kg.

(Ecotipos da Raça Caprina Serrana: Transmontano, Jarmelista, Ribatejano e da Serra)

Caprina Serrana Transmontano rd Caprina Serrana Jarmelista rd Caprina Serrana Ribatejano rd Caprina Serrana Serra rd
Ecotipo Transmontano Ecotipo Jarmelista Ecotipo Ribatejano Ecotipo da Serra

Padrão da Raça Caprina Charnequeira
De acordo com o definido no Regulamento do Livro Genealógico, o caprino Charnequeiro é um animal com as seguintes características:

Aspeto Geral – Animais de uma certa corpulência eumétricos ou subhipermétricos, de aptidão carne-leite. 
Pelagem – Uniforme, de cor vermelha com tons que vão desde o claro (trigueiro) até ao retinto (cor de mogno). Pele forte e elástica, pêlo curto, liso e, por vezes, brilhante nas fêmeas, sendo mais grosso e hirsuto nos machos, sobretudo no dorso e lombo.
Caprina Charnequeira 1 rdCabeça – Média, de perfil retilíneo ou subcôncavo, de fonte convexa, seguida de pequena depressão, e chanfro retilíneo. Olhos vivos e acastanhados. Orelhas pouco destacadas, direitas e de comprimento médio. Inerme ou com cornos, grandes, largos e juntos na base, dirigidos para cima, ligeiramente inclinados para trás, divergentes e retorcidos nas pontas ou nitidamente espiralados, em saca-rolhas, rugosos e de secção triangular. Barbicha frequente nos bodes e rara nas fêmeas.
Pescoço – Comprido e estreito, quase sempre com brincos.
Tronco – Amplo, com peito estreito e profundo. Cruz pouco destacada. Linha dorso-lombar quase direita, ligeiramente descaída para a frente. Garupa descaída. Cauda curta, horizontal e arrebitada na ponta. Abdómen bem desenvolvido.
Úbere – Ensacado e pendente ou globoso, de regular desenvolvimento, tetos destacados e de tamanho médio.
Membros – Fortes, curtos, com aprumos regulares e unhas resistentes.
Peso vivo – adulto: Machos – 55 a 60 kg; Fêmeas – 45 a 50 kg.

Fontes:
OVIBEIRA – Associação de Produtores Agropecuários
ANCRAS – Associação Nacional de Caprinicultores da Raça Serrana
Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV)